GET YOUR BUSINESS NOTICED! = TORNE SUA EMPRESA CONHECIDA!

Advertise your business with us! To advertise on this blog, please e-mail us: bltbrazilguyana@yahoo.co.uk and become a sponsor. Ad space on this blog starting at just $15/month.
Anuncie conosco! Para anunciar neste blog, envie um e-mail para: bltbrazilguyana@yahoo.co.uk e tornar-se um patrocinador. Anuncios publicitários nesse blog a partir de $ 15,00/mês.

EDUCAÇÃO BILINGUE NA FRONTEIRA BRAZIL-GUYANA

Eduque seu filho na fronteira Brasil-Guiana.
Ensino Fundamental e Médio.
Inglês em Lethem na Guiana (escola particular).
Português em Bonfim no Brasil (escola pública).
Informações: bltbrazilguyana@yahoo.co.uk ou (095)8123-6855/ (095)9141-0922

domingo, 26 de junho de 2011

GUIANA - Beleza exótica e cultura atraem turistas


Com aproximadamente 800 mil habitantes, a Guiana integra a chamada tríplice fronteira – Brasil, Venezuela e Guiana. Apesar da proximidade, o roteiro não é tão explorado pelos roraimenses assim como é a Venezuela. Isso talvez porque as belezas naturais e até mesmo arquitetônicas do país vizinho ainda sejam desconhecidas pelos brasileiros. A receptividade é outra marca registrada dos guianenses.
A Folha aceitou o convite do Sebrae e embarcou na missão empresarial e turística realizada durante toda a semana passada em busca de explorar as belezas que a Guiana tem a oferecer aos turistas, além de acompanhar a agenda programada para a comitiva.

A programação da viajem rumo às regiões da Guiana começa no Brasil. Para adentrar o país vizinho além de Lethem, que fica na fronteira, é necessário apresentação de passaporte e cartão de vacina internacional na Polícia Federal. Até Lethem basta a carteira de identidade. Com as obras após a ponte sobre o rio Tacutu, os motoristas já saem na faixa certa de quem vai rumo à Guiana: à esquerda.

A capital do país, Georgetown, fica distante 640 km de Boa Vista. A viagem via terrestre é cansativa devido à maior parte da estrada não ser pavimentada. Até Lindem, que fica a 100 km da capital do país, a estrada é na piçarra, mas toda sinalizada com placas em inglês e português.

No percurso há muitas pontes estreitas e altas, o que exige o dobro de atenção ao volante. Praticamente na metade da extensão rumo a Georgetown há uma reserva florestal denominada Iowokram. São 400 mil hectares de mata preservada. Placas no decorrer do percurso avisam que é proibida a caça na reserva.

Ao final da reserva há o rio Essequibo, onde a travessia é feita de balsa. O horário para cruzar o rio é das 6h às 18h. Na ida o motorista não paga a travessia. Mas em Georgetown é necessário comprar um passe antes de retornar para apresentar na balsa. O passe custa G$ 7.500 (dólares guianenses). A travessia é feita em torno de meia hora. Da ponte até a capital do país são 333 km.

A vantagem da viagem via terrestre, mesmo que cansativa, é estar em contato com toda a beleza natural que a Guiana tem. As pequenas cidades que ficam no decorrer da estrada de acesso a Georgetown guardam especificidades que chamam a atenção dos visitantes. O percurso é em região de savana, floresta e montanha.
CÂMBIO – No extraoficial, dependendo da valorização do real e do dólar, o câmbio é de R$ 1,00 por G$ 100,00. Em Lethem há cambistas e também bancos onde a troca da moeda pode ser feita.

Saiba como chegar à Guiana

Para adentrar o país com veículos particulares o procedimento administrativo exige um planejamento de dias antes da viagem. É necessária a apresentação da certidão negativa do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) de multas. Se o carro não estiver em nome do viajante, é necessária uma autorização com firma reconhecida do proprietário autorizando o motorista a sair do país com o veículo.

No caso de alienação fiduciária - transferência da propriedade de um bem móvel ou imóvel do devedor ao credor para garantir o cumprimento de uma obrigação - é conveniente que se tenha uma carta da entidade financeira que autorize o veículo a sair do país. Além disso, a Guiana executa a cobrança de um seguro contra terceiros - danos físicos e materiais - por veículos, que chega a cerca de R$ 120,00.

Um dos empecilhos que ainda não foram resolvidos é a parte do transpasse da fronteira por veículos profissionais – ônibus e vans - transportando passageiros e cargas. Apesar do tratado assinado que foi homologado pelo Congresso Nacional em 2005, os presidentes dos dois países, por ocasião da inauguração da ponte, assinaram um novo acordo para transporte fronteiriço, mas que ainda não foi operacionalizado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres.

Há a opção de ônibus é da empresa Amatur que faz linha para Bonfim. A passagem de ida custa R$ 15,25 e volta, R$ 21,25. Os ônibus saem todos os dias de frente da Rodoviária Internacional de Boa Vista, às 7h, 10h, 14h e 16h30. De Lethem partem ônibus rumo a outras localidades da Guiana. Além de caravanas com 12 lugares durante três vezes na semana.

Para os que preferem uma viagem rápida de cerca de uma hora via área, a Meta Linhas aéreas faz rota para Georgetown. Os voos partem do Aeroporto Internacional de Boa Vista rumo o Aeroporto Internacional de Georgetown Cheddi Jaggan. A aeronave faz o trecho Belém, Paramaribo, Georgetown e Boa Vista nas quartas-feiras e nas quintas-feiras ela decola fazendo o mesmo trecho de forma inversa. O valor da passagem varia conforme a cotação do dólar americano. Ida e volta custam em torno de R$ 558,41. A companhia aérea Suriname Airways faz o trajeto Lethem/Georgetown. Mais informações (91) 3257 6435/6436.

COMPRAS - A cota ou o limite de isenção é o valor total de bens que o turista tem direito de trazer com bagagem acompanhada, sem necessidade de pagamento dos tributos referentes aos produtos importados. No caso do retorno via terrestre ou fluvial ao Brasil, a cota é de US$ 300,00, e se retornar via aérea ou marítima a cota é de US$ 500,00.

No caso de saída do país levando bens ou equipamentos de elevado valor, é necessário o preenchimento da Declaração de Saída Temporária (DST) para assegurar o retorno dos bens sem pagamento de tributos.

Pontos turísticos oferecem lazer e comodidade a turistas

Em Georgetown, há pontos turísticos variados. Apesar de carecer de certos cuidados, a capital possui restaurantes, boates e hotéis para agradar a todos os gostos. Aproximadamente 70% dos restaurantes são chineses. Um dos mais badalados e que alia comida de qualidade com ambiente agradável é o New Thriving, localizado no centro da cidade. Os preços dos pratos iniciam em R$ 3,00.

Na rede de hotelaria, há diversas opções. Um dos maiores hotéis da capital é o Princess Hotel, onde a comitiva ficou hospedada. O único cassino de Georgetown está no hotel. Apenas turistas podem jogar. Há hotéis em que a diária, incluindo café da manhã, sai por US$ 55,00. O resort Madewini Villas também é uma das melhores opções para quem vai em busca de descanso e contato com a natureza.

A noite na capital guianense também é animada. Uma das mais recentes boates inauguradas é a Edge Lounge. O ritmo musical é variado e mistura reggae com batidas e músicas indianas que ganham o gosto do público. Há museu, jardim botânico, igrejas e um templo hindu. A maior igreja de madeira do mundo está em Georgetown.

Outro ponto de interesse de turistas no país são os preços de eletrônicos e produtos em geral. A capital oferece várias lojas para a compra de celulares, bebidas e notebooks, produtos que costumam ter valores mais acessíveis. É importante saber que o centro comercial fecha às 16h.

By Vanessa Lima (Jornal folha de Boa Vista - 2010)

PS: Esses valores são de 2010 ano em que esta matéria foi publicada no Brasil.

Um comentário:

thamiris disse...

oi estou querendo fazer um curso de ingles na guiana, meu ingles é intermediario, mas tenho serias duvidas, pq alguns amigos me disseram q quase ninguem fala ingles de verdade na guiana, vc pode me ajudar??? meu email é: thamirislunes@bol.com.br